Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Deus: um caso de «ménage à trois»

por Fátima Pinheiro, em 15.06.14

fotografia tirada no Santuário de Fátima
Francisco Noronha de Andrade

Todas as palavras são poucas e muitas para “dizer” o Mistério. E Mistério é aqui tido, não como enigma mas como aquilo que, não sabendo nós o que é, sabemos contudo que “paira”, que “anda por aí”, a exceder e a corresponder ao que no mais fundo de nós desejamos. Para dar um exemplo destes dias, a lua não é apenas um enigma, mas Beleza que se contempla porque atrai. Puxa-nos a qualquer coisa, um X que me sopra. Somos três: Ela, eu, e o abraço que nos envolve, cabe-nos e transcende-nos. É muito Bom. Querem ler porquê?

Tenho um amigo chamado Francisco que gosta muito da Mãe de Deus. Tirou a fotografia que se pode ver acima. Tirou-a precisamente no Santuário de Fátima. Nela podemos ver uma cruz, uma nuvem, o céu, e uma pomba cheia de vida. Como hoje é Domingo da Santíssima Trindade decidi mostrá-la aqui. Com palavras poucas. Ou quase me calo já. Lembro só o que diz S. Tomás acerca da obra prima que é a sua SUMA TEOLÓGICA. Ele, que, diz-se, enfiava a cabeça no Sacrário - para ver se entendia alguma coisa –, reconheceu que tudo o que escreveu é “palha”. Palha!

E o "De Trinitate" de S. Agostinho - salvo erro são 15 Livros - são 30 anos à procura de analogias do 3 em 1, e o teólogo conclui::"não encontro, se calhar perdi tempo!" Mas não, confessa também: "toda esta procura mudou-me, eu não sou mais o mesmo." Deus é uma Relação que entra em relação connosco e nos transforma. Nós somos "à Sua imagem e semelhança": um dado (imagem) por natureza, a conquistar em liberdade (tensão para a "semelhança"), incansável repetiu-o sempre o meu mestre de filosofia.

Estou então à vontade para dizer que aquela imagem é SINAL de um Amor. De um certo Espírito. Uma espécie de “Love is in the air”. Que “paira sobre as águas” (cfr. Livro dos Génesis). Mas não de águas mortas – a luz da fotografia é espetacular – e sim de águas vivas; como as que um Filho traz do seu Pai. Um caso de um especial “Ménage à Trois”: Pai, Filho e Espírito Santo.

Pergunta o Bispo a um outro amigo meu, no “exame” de preparação para a Primeira Comunhão (ou Crisma? já não me lembro; ele contou isto já há uns tempos): “João, o que é a Santíssima Trindade?”. Ele, inteligente, sempre de resposta pronta e certeira: “nem eu sei, nem o senhor Bispo sabe, nem ninguém sabe; por isso é que é mistério.”

Tudo o que me acontece – hoje já vou no café da manhã que agora acabo – tem o selo, saber ou “sabor” daquele abraço a três. Onde cabe “perfeito” o meu coração. E agora veio presente à memória o querido Alexandre O´ Neill. E um outro Francisco. E mais outro. O primeiro já foi desta para melhor. O outro mora agora em Roma. E o último vai comer bifes ao almoço, se Deus quiser. Vou despachar-me porque me falta pão fresco. E ao da Pomba: que boa apanhada Francisco! Tiras mais?

Autoria e outros dados (tags, etc)


Papa Francisco: Acaba o Celibato dos Padres?

por Fátima Pinheiro, em 03.06.14

 

 

A  Igreja raramente recorre à proclamação de um Dogma no sentido forte do termo, isto é, ex cathedra ( de resto há muitos dogmas, entendendo-se estes como máximas, verdades, opiniões)  Mas quando o faz é por razões pedagógicas, para realçar algum aspeto que esteja a ser “descurado”  na vida da Igreja; e fá-lo a partir dessa experiência de vida. Isto é, reconhece formalmente o que já é vivido no seu seio, na sua prática milenar. Numa palavra, não o faz à la a carte e por razões do “eclesialmente” correcto, ou para inglês ver. Vem isto a propósito do Papa Francisco, mais uma vez a marcar pontos ao “obrigar” a pensar e a conhecer a Igreja; a fazer as distinções essenciais. Foi no regresso desta recente visita à Terra Santa, ao responder à pergunta dos jornalistas: o celibato dos padres poderá deixar de ser obrigatório? Já em 2012 se tinha pronunciado sobre este assunto. Paulo VI e Bento VI também. Em ambas as ocasiões disse: eu sou a favor do celibato dos padres; embora não seja um Dogma – e por isso pode mudar-se - , o celibato é um Dom de Deus à Igreja, uma disciplina, uma regra de vida que eu aprecio muito; por isso, apesar dos seus prós e contras eu sou a favor; temos do celibato dos padres dez séculos de boa experiência; a tradição tem a sua validade…. Não se espere portanto que o próximo Sínodo de Outubro, sobre a Família, se centre na questão do celibato, e outras que vêm à colação (contraceção, homossexualidade, etc.). É preciso ir a montante: pensar, entender, clarificar o que é a família, que está em crise, e tudo ver a essa luz.

 

Mas voltemos ao celibato, o mote do Programa da RTP 1 “ Prós e Contrasde ontem, que acabou por ter como tema “A Igreja e a sexualidade”. Mais uma vez agitou e provocou que tenham emergido diferentes perspetivas e sensibilidades. Um ponto que registo: manifesta abertura a mudar. Mas não se pôs a hipótese que a mudança pudesse ser a de proclamar o celibato com Dogma. Curioso, não é? O Pe. Feytor Pinto sublinhou, sim, o aspeto mais determinante do celibato dos padres: a identificação do sacerdote com Cristo. Seja o sacerdote um outro Cristo.  Será que Francisco sonha com isto, e sabe que é preciso que seja “realizado” ex Cathedra?

A Madre Teresa de Calcutá dizia que a Palavra de Deus não é a Bíblia. What? A Palavra de Deus é a Bíblia, sim, mas mais a Tradição. Dogma e Tradição casam bem, como há pouco referi. São poucos os Dogmas ex-Cathedra. Mas como o século 19 resultou numa aceleração permanente – ainda em andamento -, nestes últimos dois séculos foram proclamados três Dogmas.

 

Em 1854 o da Imaculada Conceção de Nossa Senhora, que sublinha a atualidade do pecado original como razão da fragilidade do humano, que se traduz na dificuldade em não conseguir realizar o bem que se vê e gosta e quer, mas acaba por fazer o que não gosta, ou no fundo não se quer. Em 1870, o Dogma da Infabilidade Papal (em matérias de Fé), para mostrar que o homem não é a medida de todas as coisas, numa época em que esse é um sound bite vertiginoso e imparável. E em 1950, o Dogma da Assunção de Maria ao Céu em corpo e alma, para lembrar a unidade de corpo e alma, que é o homem; o corpo não é o usa, gasta e deita fora; uma “coisa”, “um número”, mas uma dimensão essencial do humano. ”Eu não tenho um corpo, eu sou um corpo”, é uma pedra no pântano materialista então a iniciar um reinado do qual ainda hoje se desconhecem contornos. João Paulo II viria a seguir, e devido à sua formação fenomenológica, foi capaz de começar um estudo sobre a sexualidade que se veio a concretizar na sua obra, e nas catequeses de 4ªfeira, já publicadas entre nós. A designada “Teologia do corpo”.

 

A lei do celibato obrigatório começou com o Concílio de Trento. Mas só quem ignora que a Igreja é uma vida – com a s suas etapas, momentos felizes, e outros não tanto -, pensa que ser padre é ser como os companheiros de Cristo, que erem casados. O que é certo é que a prática do celibato pelos padres começou a frutificar; eles começaram a ser vistos como um sinal de que a nossa vida não acaba “assim” e “aqui”. Ao entregarem-se a “tempo inteiro”, ao “prescindirem” (não digo que não gostassem de o fazer) de constituir família (mesmo sem filhos; há casais que não têm filhos), passaram a ser “uma coisa do outro mundo”. Lembram-me  o meu "fim". São "escatológicos".

 

Claro – o próprio Papa o lembrou no avião aos jornalistas –,  há padres casados muito bons. E referiu os seus colegas de rito católico oriental. Mas a sexualidade não se reduz ao casamento. A sexualidade o que é? João Paulo II vê-a na diferença e complementaridade do humano: Deus criou o homem, e criou-o “homem e mulher.” Padres, relioiosos , leigos, toda a ahumanidade.

 

 O casamento o que é?  Atualiza a comunhão de duas pessoas na unidade que envolve a pessoa toda. O Amor de Deus, que a investe na raíz, pode levar à criação de novas criaturas, os filhos. Estes surgem de um Amor que envolve pai e mãe. Estes não são “capazes”; mas o impossível acontece porque eles são Amados na atração que os envolve; às vezes no primeiro olhar. "Give my all to you". 

 

Eu tenho uma amiga casada com um pastor protestante. A vocação dele dividi-o entre duas famílias. Entra e sai, acode fora e dentro, mas não pára em nenhum dos lados. São pessoas extraordinárias e infelizes. Não há tempo para regar intimidades  e cumplicidades. A isto, sim, eu chamo contra natura. Não acham? Natural é o prazer, o orgasmo e o tudo o mais que foi criado por Deus. O corpo é um templo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

                             K G Chesterton (fotografia tiradad da net)

 

Foi muito bom o Colóquio sobre G. K. Chesterton no A2 , na Universidade Católica, ontem. Não admira que Jorge Luís Borges o tenha escolhido como seu escritor de eleição,  como um dia explicou: “era um homem que não se limitava a acreditar em Deus, mas que se interessava mesmo por Ele.” Não para estar nas nuvens, mas para gozar a vida. Um dia perguntaram-lhe que livro gostaria de ter nas mãos se ficasse isolado numa ilha deserta. Resposta: “manual para construção de canoas”. Recentemente veio a notícia de que poderia vir a ser declarado santo; como já aqui disse, chegou-me às mãos um artigo do Jewish Chronicle:  "Pode o inimigo dos judeus G.K. Chesterton ser um santo?". Mas poderá um verdadeiro inimigo dos judeus (e que disse em tempos coisas menos edificantes) ter escrito um dia: "Darei a vida em defesa do último judeu na Europa"? Quando um dia lhe perguntaram se seria santo, ele, no seu paradoxal humor disse que seria bem interessante um homem gordo, de charuto, e mais não sei o quê, de auréola na cabeça!

 

Hoje expresso aqui coisas que lá, na Católica, marcaram esta mulher, que ontem era quinta-feira. E tenho que me despachar porque não resisto a correr ver o Público. Para ler quem já não faz política. O que inventou Soares esta vez?! Porque no fundo gosto de ti – não destas tuas manobras - espera amanhã pelo (2)…

 

“Small is beautifull”, eu já sabia. Mas ontem “aumentei”. Só um homem grande e rolante faz dos pequenos, grandes. Isto é comuns, dizia Chesterton, o meu “homem que é hoje”. Os mais de 5.000 artigos do jornalista alargam-nos porque neles All things [ are] considered. Criticam-no um dia: nunca escreves sobre Deus! “Não”, disse. “Em tudo o que escrevo estou a escrever sobre Deus”. É o tema. Aliás já Santo Agostinho dizia que só há dois temas sobre os quais interessa escrever: o “eu” e “Deus”. Não se espere portanto encontrar um tema-tema, mas qualquer escrito de Chesterton é, disse-o, a sua visão sobre o tema. E o seu amor ao paradoxo não é uma figura de estilo, mas é a sua visão das coisas. Por grande ou comum exemplo, de S.Paulo:  Vejo o bem que quero e não o faço; faço o mal que não quero, e ganha em mim. Mas não me ganha a mim, diria. Nem a Chesterton: aos 40 converteu-se ao catolicismo. Assentou na Pedra que salva.

 

E é sem rodeios que o testemunha: “converti-me ao catolicismo por causa da Confissão.” Não à caricatura que dela se faz: peca, peca, que depois vais ao padre. Não andamos aqui a brincar às escondidas. Não estou a brincar comigo. Nem ele com ele! Estamos sim a chamar as coisas pelo nome. Ah, sou limitada, todos fazem o mesmo, os tempos mudaram, é a vida. Ó pá não me apetece. Ó pá apetece-me. E a vida é curta (será?). OK. Mas quem tem medo da palavra “pecado”? Não me venham com histórias de inquisições ou pedofilias, que isso há em todo o lado. “Pecado”, o que é? É “não amar”, that´s all. O pior dos pecados é o desespero, desistir. De mim, de tudo. Conheço isto muito bem. É comum.

 

Chesterton tem textos sobre a alegria da Confissão que são desarmantes, notou Maria João Laje, uma das conferencistas. E a alegria é justamente o “segredo do cristianismo”, diz ele. Contagia sem violentar. Desarma sem agredir. À santo. Os bloguistas bem precisam de um, e que eu saiba, não há ainda. De qualquer forma, Chesterton já o tenho no meu escapulário, muito pequenino, que levo ao peito, e onde estão escritos os nomes dos meus amigos. Eu, uma mulher pecadora, normal, santa, comum e extraordinária. O segredo não está no escrupuloso querer saber se O amo;  está sim na certeza que recebo, todos os dias, de uma forma mais ou menos estúpida, com mais ou menos dificuldades (títulos de livros dele, que a Zita Seabra tem editado na sua Aletheia), que Ele me ama. Lembra K. G. “ a fé começa mesmo antes de a termos”.

Só porque me esqueço destas coisas, às vezes “sinto-me” infeliz. Ainda bem que a felicidade não é um estado de alma! A felicidade acontece – cai-me de cima em cima – no meu desejo ou sede saciados no pedir dela de cada dia. Se eu fosse a fonte ou a gestora dessa Água, não seria eu. Deus me livre.

 

O João estava ontem sentado no A2 à minha esquerda. A certa altura, falava-se das coisas simples das nossas vidas, tirou da mochila um livro de Roger Scruton: I drink, Therefore I am. A Philosopher´s Guide to Wine.  “Lê!”. E deu-me uma passagem em que alguém conta a sua visita a uma casa das Irmãs da Madre Teresa de Calcutá: “It was with a botle of Ksara rosé that a great change came over my thinking” (Continuum, 2009, p.72). A Isilda, que estava do meu lado direito disse: ”esse autor é muito bom”; “acabei de ler um livro dele…”. “Qual?” Ela disse uma coisa como as vantagens de ser pessimista. Vou ver. Só se pode ser otimista K.G.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

Papa Francisco, Rabib Abraham e Iman Omar Abboud,  anteontem em Jerusalém 

fotografia tirada da net

 

O voo à Terra Santa não foi visita política. Foi correr para agarrar o essencial. O que faz correr Francisco assim? O livro sagrado tem a “definição” de amor no capítulo 13 da Primeira carta aos Coríntios. Aí se diz que o Amor é uma construção, mas a partir de um Dom, de algo que “já está”. O mesmo se diga da Unidade. Aqui vem a questão: se é um Dom, por que razão o peço, por que há que pedi-lo? Sim, porque o sucessor de Pedro insiste em que  peçamos – ou rezemos, que é o mesmo -, sempre e insistentemente. Mais uma vez o certeiro Chesterton a notar que a verdade está no Paradoxo. Mas S. Agostinho ainda diz “melhor”.

 

O que escrevo faz sentido para quem precisa de ser salvo. Eu preciso. Sei por experiência que preciso de mãos que me levantem todos os dias, de olhos onde vejo portas e janelas, de abraços que me curem as feridas. Pelas minhas mãos nada disto acontece e acontece (outra vez o paradoxo que ilumina): “o amor é paciente, é prestável, não é invejoso, não é arrogante nem orgulhoso, nada faz de inconveniente, procura o seu próprio interesse, não se irrita nem guarda ressentimento./ Não se alegra com a injustiça, mas rejubila com a verdade./Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” (da tal carta de S.Paulo). Aquele abraço da Terra Santa, acima na fotografia, diz tudo.

 

Repito as palavras de S.Agostinho à minha maneira: Deus criou-te sem ti mas não te salva sem que o queiras, sem a tua liberdade, o teu sim a ti mesmo, ao que és por dentro. Quando os irmãos “desavindos” se deixam apertar nos doces braços do Pai, choram de alegria. Convertem-se, isto é, o seu coração, a sua razão, alarga. Abraça o mundo. De boas intenções está o inferno cheio, oiço. E então. Há alguma coisa que vença mais que o fogo do Amor? Eles correm, correm.

 

O Abraço em que há dias se fundiram o Papa Francisco, o Rabib Abraham e o Iman Omar Abboud, em Jerusalém, mostra ao mundo inteiro que Deus não é uma Utopia mas uma Presença. Uma Presença: vê-se, toca-se. A isto se chama Encarnação. O verbo se fez carne e habita entre nós. 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D